Carolina Marques Moreira Amorim

3 maneiras simples de evitar o acidente

Com o início de um novo ano surge o desejo de que coisas boas aconteçam. E que assim seja. Mas, será que ao iniciarmos este ano paramos pra revisar aspectos “antigos” que interferem no dia a dia da Segurança Operacional? Consideramos que foram adequados os procedimentos tomados neste ano que passou? E, será que estes foram úteis para serem utilizados neste novo ano?

A poucos dias li um artigo que falava sobre comportamento de risco e de que maneira podemos evitá-los, com isso, vemos que é de extrema importância lembrar que todo e qualquer comportamento de risco antecede ao acidente. Portanto, atenção!

Podemos definir como comportamento de risco a combinação entre a probabilidade de ocorrência de um determinado evento, seja este aleatório, futuro e que independe da vontade humana, resultando em impactos negativos. Ou seja, a simples recusa quanto ao uso de EPI é um bom exemplo de comportamento de risco, mesmo que tenham sido alertados quanto à importância de sua utilização.

Trazer esses questionamentos para a Aviação Agrícola mostra quão relevante é cada atividade relacionada a este setor e auxilia na não propagação desse comportamento nocivo, chamado Comportamento de Risco.

Existem três maneiras simples para evitar o acidente, sendo estas: 1) O correto uso dos equipamentos de segurança, 2) Seguir as orientações para exercer de forma adequada sua função na empresa e 3) Realizar suas atividades laborais de maneira cuidadosa e com responsabilidade.

Utilizar o EPI é fundamental. Este servirá de auxilio direto para que os trabalhadores estejam protegidos dos riscos que envolvem cada atividade exercida em sua rotina na empresa. É necessário apenas estar atento aos vários tipos de equipamentos, para que se possa utilizar aquele que será adequado a sua função.

No que se referem a seguir as orientações para o exercício adequado de sua função na empresa, vemos a importância de que haja por parte da empresa treinamento e capacitação de cada funcionário, auxiliar direto ou indireto, para que este receba treinamento, de maneira clara e objetiva, quanto a sua função. Não podemos deixar de levar em consideração a fala do trabalhador no que se refere à segurança operacional, pois é ele que vivencia diariamente sua função prática, sendo capaz de detectar qualquer evento que ponha em risco a segurança.

E por fim, vemos quão importante é a realização das atividades laborais de maneira, cuidadosa e concentrada, aonde o responsável direto pela segurança operacional é aquele que esta realizando o trabalho.

Agora que você recebeu essas dicas, que tal começarmos a agir?…

O maior responsável por sua segurança é você mesmo.

Carolina Amorim – GSO Pachu Aviação Agrícola Ltda