Imprensa

Aeroagrícolas em SP precisam se cadastrar em sistema de controle de defensivos

/ /

   As empresas aeroagrícolas de São Paulo precisam se cadastrar até o final do ano no sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave), da Secretaria de Agricultura do Estado. Isso porque o registro (que é gratuito) será obrigatório para poder operar em território paulista a partir de 1º de janeiro de 2019. A novidade atinge também produtores rurais, prestadores de serviços terrestres, revendedores e fabricantes de insumos, engenheiros agrônomos e florestais e até unidades de recebimento de embalagens vazias.

   A regra, estabelecida pela Portaria 16/2018 da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), foi tema de um encontro entre técnicos do órgão e representantes do setor primário do Estado. A reunião ocorreu na última semana e o Sindag foi representado pelo empresário Vanderson Augusto Cristofolo (Pachu Aviação Agrícola). “Para os empresários aeroagrícolas, trata-se de um cadastro relativamente simples, embora se tenha que anexar uma série de documentos”, explicou.  O registro precisa ser feito no Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) da região onde se encontra a empresa.

   A lista de documentos necessários, bem como os links para baixas orientações e os formulários a serem preenchidos podem ser acessados clicando AQUI.

PRODUTORES

   Segundo Cristofolo, os empresários aeroagrícolas estão preocupados também em conscientizar seus clientes para que não deixem o cadastro para última hora. Já que a partir de 2 de janeiro os produtores não conseguirão comprar os insumos se não estiverem com tudo em dia. “O cadastro das propriedades rurais é um pouco mais complexo”. Além disso, os produtores terão que estar atentos a eventuais atualizações de dados.

   Se, por exemplo, um agricultor mudar a cultura de soja para milho e não atualizar o cadastro, quando for tentar adquirir um produto que é apenas para o milho, também terá a compra negada: o sistema vai “entender “ que ele está tentando comprar um defensivo que não é para sua lavoura.

   “O Gedave vai cruzar todas as informações, de todas as categorias de cadastro (inclusive a de produtos). Além disso, como esse sistema é novo, não se está livre de alguma pane na virada do ano”, comentou o empresário aeroagrícola sobre outra preocupação do setor.