Imprensa

Aviação agrícola parada por falta de combustível na Venezuela

/ /

A suspensão, desde o final de outubro, do fornecimento de gasolina de aviação para o setor civil na Venezuela deixou no chão também o setor aeroagrícola e já ameaça a produção primária do país, principalmente no Estado de Portuguesa (noroeste venezuelano).  Os proprietários de aeronaves a pistão temem que a medida ainda vá até dezembro, apesar do governo local ter sinalizado que a situação deve ser normalizada a partir do próximo dia 30.

Segundo o portal de notícias El Impulso, com uma “saudação bolivariana, revolucionária, socialista e anti-imperialista”, o supervisor da planta de abastecimento da planta de AvGas da Petróleo de Venezuela S/A (PDVSA) em Barquisimeto (no estado de Lara, oeste do país), Felipe Nieves, avisou aos operadores da região que a suspensão terminaria à meia-noite de 30 de novembro. Só que a própria PDVSA não informa o porquê da paralização, o que só contribui com o descrédito nas autoridades. Para piorar, operadores e pilotos de quase 800 aeronaves civis sofrem com a falta de remuneração de quase um mês parados.

O irônico é que a Venezuela figura entre os 12 países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o que dá uma ideia do quanto a crise política e administrativa do país, vizinho norte do Brasil, afeta sua infraestrutura e daí prejudica a produção.

Clique AQUI para vera notícia completa no portal El Impulso, de Barquisimeto

Quince días más sin gasolina para aviones