Imprensa

Carta do presidente Júlio Kämpf pelo Dia Nacional da Aviação Agrícola

/ /

A todos os que integram a aviação agrícola de nosso País, voando ou fazendo voar:

Há 70 anos, em Pelotas, o pioneirismo de um engenheiro agrônomo do Ministério da Agricultura e de um piloto do Aeroclube local lançaram a semente para que o Brasil chegasse à condição potência aeroagrícola mundial que experimenta hoje. Além de Leôncio Fontelles e Clóvis Candiota, diversos outros pioneiros surgiram nos anos seguintes, como Ada Rogato, Joaquim Eugênio, Orlando Bombini e Deodoro Ribas. Todos ajudaram a ferramenta se espalhar rapidamente em um país até então ainda essencialmente agrícola.

Foram primeiras décadas de muito aprendizado, em uma época em que aparelhos eram improvisados e diversos modelos de aeronaves foram testados e adaptados. Porém, o setor se qualificou e acabou se tornando a única ferramenta no trato de lavouras com regulamentação própria e se estabeleceu o nível de exigência mínimo e cursos para a formação seus profissionais. A indústria se engajou nos anos 70 e também aí o País ganhou destaque, com a produção própria de aeronaves movidas a etanol (outro pioneirismo brasileiro).

Hoje, são mais de 2 mil aeronaves nos campos brasileiros, com tecnologia de ponta controlada por mais de 5 mil pilotos, técnicos e agrônomos envolvidos diretamente em suas operações. Ao mesmo tempo em que garante produtividade em culturas estratégicas para o País – como a soja, cana-de-açúcar, milho, arroz, algodão e outras, a aviação impede que a fronteira agrícola avance sobre áreas ambientalmente sensíveis. Mais do que isso, garantimos também a segurança alimentar do Brasil, não só com a produtividade, mas com qualidade comprovada (pelos próprios órgãos governamentais) no que chega às mesas dos brasileiros.

Encerramos há poucos dias mais um Congresso Sindag Mercosul, onde inclusive parte dessas palavras foram ditas, em um dos maiores eventos que já tivemos e que também serviu para comemorarmos nossa história. Onde, aliás, debatemos diversos temas entre nós, nossos parceiros e com nossos vizinhos de continente.

E vimos o quanto andamos e o quanto ainda falta andarmos até que se derrubem todos os preconceitos e todos tenham seu valor plenamente reconhecido pela sociedade. Mas também percebemos o quanto estamos mais unidos ao reverenciarmos nossos pioneiros e motivados para também nós fazermos história.

Juntos.

Então, feliz Dia Nacional da Aviação Agrícola e parabéns pelos 70 anos da Aviação Agrícola Brasileira.

 

Júlio Augusto Kämpf

Presidente do Sindag