Imprensa

Debates internacionais, cenários e tecnologias dominaram a pauta do primeiro dia do Congresso Sindag

/ /

Quase mil pessoas movimentaram o Congresso Sindag Mercosul e Latino-Americano no primeiro dia da programação, que ocorre no Aeroporto Municipal de Canela/RS. A terça-feira teve entre os destaques o debate entre os representantes das entidades aeroagrícolas do Brasil, Argentina, Uruguai, Estados Unidos e Canadá. Outro ponto foi a discussão sobre as tendências em tecnologias para o futuro da agricultura frente à realidade da demanda mundial por alimentos e matérias-primas.

Já o segundo dia terá os debates e apresentações girando em torno de regulamentação, segurança e comunicação com a sociedade. A expectativa para a quarta-feira é de melhora no tempo, já que a chuva também marcou presença na abertura do Congresso Sindag. Com isso, paralelo à mostra de tecnologias e equipamentos, o dia deverá contar também com as demonstrações aéreas.

DEMANDAS DO CONTINENTE

Tanto na reunião do Comitê Executivo Mercosul e Latino-americano de Aviação Agrícola, ocorrida no estande do Sindag, quanto no painel envolvendo o sindicato aeroagrícola brasileiro, a Federação Argentina de Câmaras Agroaéreas (Fearca) e a Associação Nacional de Empresas Privadas Aeroagrícolas do Uruguai (Anepa), além dos representantes da associação aeroagrícola norte-americana (NAAA) e o representante do setor no Canadá, o foco foi na necessidade de união entre os membros do setor em cada país (atentos às suas necessidades) e na importância da troca de experiências no cenário internacional.

No caso do Mercosul, Argentina e Brasil (as duas maiores potências da região) destacaram o radicalismo muitas vezes manifestado contra o setor de forma irracional e como a falta de conhecimento até por parte de legisladores seguidamente cria situações que requerem a mobilização de operadores. Já os representantes da América do Norte bateram na tecla da proatividade, como ingrediente imprescindível para o setor. Inclusive na avaliação de acidentes e na preparação e campanhas para os públicos internos da aviação agrícola.

Na reunião do Comitê Mercosul os presidentes da Fearca, Cesar Antonietti, e da Anepa, Julio Placeres, além do secretário da entidade Uruguai, Nestor Santos, foram recebidos pelo vice-presidente do Sindag, Nelson Coutinho Peña, pelo diretor-executivo Gabriel Colle e pelo secretário-executivo, Júnior Oliveira. No painel dos dirigentes, ocorrido na sequência, os presidentes e o vice tiveram a companhia do representante da NAAA, Graham Lavender, e de um representante da Pratt & Whitney Canada.

SEGURANÇA ALIMENTAR

O painel das entidades dos países presentes no encontro teve também um panorama do trabalho do Sindag na defesa do setor aeroagrícola brasileiro. Com a apresentação da campanha de valorização do papel da aviação agrícola na segurança alimentar.  Aspecto, aliás, que esteve presente, até certo ponto, na palestra do pesquisador da Embrapa e ex-presidente do órgão, Sílvio Crestana.

Foi dele a palestra sobre novas tendências tecnológicas, onde se debruçou sobre dados atuais e projeções a respeito da demanda mundial de alimentos e matérias-primas. Crestana destacou o importante papel da agricultura brasileira não só em continuar garantindo a independência do País em gêneros alimentícios, mas em suprir as demandas mundiais nas próximas décadas. Tudo isso citando o papel indispensável da aviação agrícola.

Por último, a terça-feira teve a abertura oficial do Congresso Sindag, que segue até esta quinta (dia 10). Participaram da cerimônia o secretário Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, do prefeito de Canela, Constantino Orsolin, além de representantes da Anac, Ministério da Agricultura, das entidades aeroagrícolas e outras autoridades.