Imprensa

Depois da edição de Goiás, CAS tem inscrições abertas para cursos em Porto Alegre e Balsas

/ /

Programa de certificação aeroagrícola terá novidades para lavouras arrozeiras no encontro de Porto Alegre

Depois de ter movimentado 41 profissionais do setor aeroagrícola a edição de Goiânia, ocorrida no início do mês, o curso Boas Práticas na Aplicação Aérea, do Programa Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS) está com inscrições abertas para mais duas edições: em Porto Alegre (dias 5 e 6 de novembro, no Novotel Aeroporto) e Balsas, no Maranhão (7 e 8 de novembro, no Balsas Premier Hotel). O investimento é de R$ 4,5 mil por aluno, que inclui hospedagem, alimentação e material didático. 

Os interessados podem se inscrever pelo e-mail certificacaocas.fepaf@gmail.com ou pelo fone (14) 3880-7624 com Danielle Schirmann. O módulo do primeiro dia abrange Tecnologia de aplicação aérea e o tema do segundo dia é Sustentabilidade e responsabilidade nas aplicações, com oito horas cada.

Curso de Goiânia reuniu representantes de empresas e fazendas que cobrem 678 mil hectares de lavouras em cinco Estados

Segundo o professor Ulisses Antuniassi, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e um dos coordenadores do CAS, no caso da capital gaúcha, a programação terá um diferencial para operadores que atuam nas lavouras arrozeiras. “Estamos divulgando atualizações feitas no regulamento para atender especificidades dessa cultura”, destaca. Conforme Antuniassi, o programa teve ajustes nos checklists para o arroz e para a banana. 

GOIÂNIA

Na capital goiana, o curso abrangeu 30 profissionais de fazendas que operam aeronaves agrícolas, além de representantes de cinco empresas de empresas de aviação agrícola e profissionais da multinacional Syngenta. No entanto, representatividade do grupo ganha importância ao se considerar a área abrangida em usas operações aéreas:  678 mil hectares de lavouras em cinco Estados (Bahia, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul). Cobrindo 417 mil hectares de soja, 117 mil de milho, 140 mil de algodão e 4 mil hectares de feijão.

O curso é pré-requisito para obtenção do selo do CAS, que por sua vez é o primeiro (e até agora único) programa de qualidade ambiental independente da aviação agrícola brasileira. Ele é administrado pela Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf), em Botucatu/SP, e administrado por três universidades públicas: além da Unesp/Botucatu, as Federais de Lavras (Ufla) e de Uberlândia (UFU). As aulas em Goiânia ficaram a cargo dos professores Wellington Pereira Alencar de Carvalho (Ufla) e João Paulo Cunha (UFU).

A etapa na capital goiana foi minsitrada pelos professores Wellington Carvalho e João paulo Cunha (ambos à esq)

Aprendizado é pré-requisito para o selo CAS

Aulas abrangeram técnicas, tecnologias e responsabilidade ambiental