Imprensa

Encontro em SP aborda o peso da aviação agrícola na balança comercial do País

/ /

   Representantes do Sindag, do governo do Estado, do setor sucro-energético e da indústria química participaram na manhã de hoje (27) do encontro Aplicação Aérea – análise econômica e social, que ocorreu Auditório da Coplacana, em Piracicaba/SP. O encontro foi promovido pelo Sindag, em parceria com a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Única), e marcou a rodada paulista da divulgação dos resultados do estudo que apontou o enorme peso da aviação agrícola na produtividade de alimentos e no saldo da balança comercial sobre as principais lavouras do País.

Veja abaixo o vídeo sobre o evento

  Participaram também representantes da Syngenta e do Sindicato Nacional das Indústrias de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), além de outros empresários do setor sucro-energético e representantes das Secretarias Estaduais de e de Meio Ambiente de São Paulo.

Sindag foi representado pelo secretário executivo Júnior Oliveira, que fez a abertura do evento

   Coordenado pelo doutor em Economia Elvino de Carvalho Mendonça, a pesquisa foi feita pela Mendonça e Nogueira Advogados, de Brasília. O documento simula o que ocorreria com a agricultura brasileira caso o setor aeroagrícola deixasse de operar. E os resultados seriam catastróficos: perdas de mais de 500 milhões de toneladas na exportação de soja até 2022, queda de 1,7 milhões de toneladas para quase zero no algodão e, no arroz, de um acumulado de 172 milhões para apenas 4 milhões de toneladas nas exportações, no mesmo período.

   Na cana, principal produto do setor primário paulista, as perdas também seriam monumentais, em uma lavoura que depende da aviação em praticamente 100% de suas áreas.

OUTRAS CONSEQUÊNCIAS

  O levantamento coloca na balança também o aumento do risco ambiental, a diminuição da produtividade (que provocaria o avanço da fronteira agrícola) e do encarecimento dos alimentos. E estima ainda a queda da renda da população em diversas regiões brasileiras.

   Tudo a partir de um olhar sobre a cadeia envolvida com as lavouras de soja, cana-de-açúcar, milho, arroz e algodão, todas altamente dependentes da aviação agrícola. Concluído no início do ano, o trabalho foi apresentado em junho na Federação da Agricultura do Paraná, em Curitiba, e esteve em pauta também no Congresso da Aviação Agrícola do Brasil, ocorrido em agosto, em Maringá/PR. A pesquisa deverá ser apresentada também em encontros com entidades governamentais e do setor primário no Centro-Oeste, Sul e no Nordeste do País.

ABELHAS

   A programação em Piracicaba teve também a apresentação do Projeto Polinizar – Voando juntos, da empresa COFCO Agri, desenvolvido em suas quatro usinas no Estado. A iniciativa tem como foco conciliar a produção de cana-de-açúcar com a apicultura, através de das boas práticas aeroagrícolas da comunicação entre todos os envolvidos no processo. Além disso, reforça a questão social, com a capacitação dos apicultores para aumento de sua produtividade de mel e derivados, significando também mais renda para sus famílias.

Pesquisa deixa clara a importância do setor aeroagrícola

Mendonça também apresentou também custos e tempo para desenvolvimento de produtos

Estudo se debruçou sobre variáveis que influenciam também na renda das famílias

Trabalho de usina para preservação de abelhas e valorização da apicultura também foi destaque

Representantes de diversas entidades da produção e de governo participaram do encontro