Imprensa

Força Aérea dos EUA usará um Hércules C-130 para pulverização aérea contra mosquitos nessa quarta

/ /

Operação vai ocorrer no início da noite, em Charleston, Estado da Carolina do Sul, e será feita por uma unidade militar especializada nesse tipo de missão

A Força Aérea dos Estado Unidos deve realizar pulverizações aéreas contra mosquitos nessa quarta-feira (25), em Charleston, no Estado norte-americano da Carolina do Sul. A aplicação de produto contra insetos adultos será feita com um Hércules C-130 da 910ª Ala de Transporte Aéreo da Base Aérea de Youngstown, em Ohio – a cerca de 1 mil quilômetros de distância. A 910ª Ala é a única unidade do Departamento de Defesa dos EUA com capacidade de pulverização aérea contra vetores de doenças.

A pulverização em Charleston deve ocorrer no início da noite (entre 19 e 20 horas no horário local) e pode ser adiada para a quinta-feira (26), caso as condições climáticas não sejam ideais no momento. Charleston está situada em uma área de rios e pântanos, com um clima quente e úmido, propício para a proliferação de mosquitos.

Veja AQUI a notícia no jornal The Berkeley Independent

CURIOSIDADE: O Hércules C-130 deslocado para a missão na área faz parte de um esquadrão que em 2017 enviou três aviões semelhantes ao Texas, para pulverizações contra mosquitos na região devastada pelo furacão Harvey. Na época, a operação contra mosquitos com os Hércules cobriu uma área de quase 950 mil hectares, sob coordenação da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA, na sigla em inglês).

Operações aéreas contra vetores é rotina em boa parte dos Estados norte-americanos

A Força Aérea norte-americana realiza esse tipo de operação desde a Segunda Guerra Mundial, quando fazia aplicações contra mosquitos para proteger as tropas aliadas em bases no Pacífico. No entanto, o combate a mosquitos com uso de aeronaves é feito nos Estados Unidos desde os anos 1920 e há pelo menos 50 anos é uma estratégia frequente das autoridades de saúde no País, inclusive com o trabalho a cargo de operadores aeroagrícolas.

Conforme os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs), vinculados ao Centro Nacional de Doenças Infecciosas Zoonóticas e Emergentes (NCEZID) dos Estados Unidos, só no Estado da Florida, as aplicações aéreas contra mosquitos abrangem todos os anos uma área 45 vezes maior do que o município de São Paulo. O órgão também tem em sua página um resumo de informações na forma de perguntas e respostas sobre o tema (veja AQUI).