Imprensa

Levantamento da Embrapa sobre agricultura e nota do Sindag apresentados em Câmara do Mapa

/ /

   Um levantamento estratégico da Embrapa mostrando, entre outros dados, que Japão, Holanda, França e Alemanha utilizam em suas lavouras até 10 vezes mais agroquímicos que o Brasil e as tendências de aumento da população em cada continente até 2030, entre outras informações. Isso, mais a nota oficial emitida pelo Sindag no início de junho sobre a alta de preço nos combustíveis de aviação e diversos outros temas estiveram na pauta da 96ª reunião da Câmara Setorial de Insumos Agropecuários, do Ministério da Agricultura, pecuária e Abastecimento (Mapa). O encontro ocorreu na última segunda-feira (23) e o sindicato aeroagrícola foi representado pelo assessor parlamentar José Cordeiro de Araújo.

   No caso do relatório da Embrapa, o documento O Futuro da Agricultura Brasileira foi elaborado pela Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas do órgão justamente para contestar mitos seguidamente replicados sobre o agronegócio. O documento traz também dados sobre a ocupação da agricultura no território nacional – como a informação e que mais de 60% é de áreas preservadas. O documento apresenta também dados como a tendência de intensificação sustentável dos sistemas de produção, os riscos da agricultura e a agregação de valor nas cadeias produtivas. Já a manifestação do Sindag sobre a alta de 21% no preço dos combustíveis entre abril em junho, a nota é a mesma que havia sido lida em 12 de junho na Câmara dos Deputados, pelo deputado Jerônimo Goergen, durante a reunião Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR).

   A reunião da Câmara de Insumos do Mapa foi no Auditório Jonas Pinheiro, na sede do Ministério, e foi a terceira com a participação do sindicato aeroagrícola – que integra o grupo desde fevereiro. O objetivo da entidade é contribuir com os debates a respeito de políticas e iniciativas referentes aos produtos usados na cadeia produtiva, dos quais boa parte são aplicados também pela aviação. Isso além de estreitar as relações institucionais com os demais membros. Tudo dentro da estratégia do sindicato aeroagrícola de levar informações técnicas e contribuir com o debate para melhoria do setor e aproximação com a sociedade e autoridades.

Clique na imagem para ver o estudo completo: