Imprensa

Nova Zelândia: aplicação aérea contra ratos salva aves em extinção

/ /

    O Conselho Comunitário de Auckland, na Nova Zelândia, está comemorando o sucesso de aplicações aéreas de rodenticida para eliminar predadores da fauna nativa da região. As operações ocorreram no final do ano passado, na Cordilheira Hunua, uma área de preservação que abriga a única população de aves kokako na região, além de outras espécies raras e ameaçadas de extinção, como o morcego de cauda longa, o sapo de Hochstetter e o kākā. As aplicações aéreas consistiram do lançamento de iscas contra ratos e gambás em 22 mil hectares de floresta nativa.

    Pelo monitoramento feito no início deste ano, a população de predadores não originários do ambiente local caiu em mais de 90%, dando chance para o repovoamento principalmente do kokako. Para a representante da Comissão de Meio Ambiente no Conselho local, Penny Hulse, o sucesso das operações aéreas mostra como o controle eficaz de pragas pode salvar uma espécie única da extinção. “É por isso que devemos continuar a fazê-lo”, comentou, em reportagem no portal de notícias Stuff (veja AQUI).

População de kokako voltou a crescer na região – Foto: Abigail Dougherty/Stuff

    Ainda segundo a matéria, o próprio prefeito de Auckland, Phil Goff, também comemorou os resultados. “O impacto (das operações) foi impressionante e permitiram a recuperação dos nossos pássaros e árvores nativas.” A aplicação aérea de iscas na área de difícil acesso já havia tido bom resultado em 2015. Porém, foi abandonada nos anos seguintes e, como as armadilhas e aplicações por terra nos anos seguintes não funcionaram, em outubro do ano passado a cidade resolveu retomar a antiga estratégia.

    A técnica é comum no país e é empregada inclusive em outros tipos de habitas, para preservar, por exemplo, o kiwi, ave símbolo da Nova Zelândia. Em 2017, o governo dos Estados Unidos também adotou essa tática na Ilha de Lehua, no Havaí. O local é santuário de pelo menos 17 espécies de aves marinhas, cujos ninhos na época eram atacados por roedores.