Claud Ivan Goellner

O AGRONEGÓCIO E O CONSUMO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

Os agricultores brasileiros têm sido tratados como criminosos por alguns setores da sociedade
por utilizarem ferramentas de controle como os produtos fitossanitários. Aqui “vulgarizados,
inclusive na legislação, pelo uso do termo agrotóxico”. Fala-se que o Brasil é o maior
consumidor no Mundo. Os dados mostram que o país utiliza 20% do total produzido. Esse
dado deve ser apresentado lembrando que o Brasil detém uma grande área agrícola (são 100
milhões de hectares cultivados) e com potencial de incorporar igualmente outros 100 milhões
de hectares sem diminuir a área de floresta natural que hoje atinge 63,5% do País. Na Europa,
tão utilizada como referência por estes setores não chega a 5% da área total. Temos cultivos
agrícolas de norte a sul produzindo desde urucum ao café, de grão de bico ao milho, de açaí a
cana de açúcar, da batata doce ao arroz. No total são mais de cem diferentes culturas. Nossa
pluralidade agrícola revela a capacidade técnica que o Brasil desenvolveu de cultivar solos em
diferentes regiões brasileiras e nos diferentes climas do País.
Possuímos uma grande biodiversidade que aliada a fatores climáticos (somos um país tropical)
determina uma maior ocorrência e frequência de ataques de pragas e patógenos e uma maior
competição de ervas daninhas. Para produzir, é necessário fazer intervenções intensas e
efetivas visto que em algumas culturas e regiões, podemos ter até três safras por ano. Na
análise dos dados oficiais de uso dos produtos fitossanitários e considerando-se a unidade de
área produtiva verifica-se que no período de 2007-2013 foram utilizados 4,77 kg ia/ha em
2008 a 5,20 kg ia/ha em 2010. A média de consumo no período é de 4,97 kg ia/ha. Na Europa,
alguns países como a Holanda, França e Bélgica utilizam respectivamente 20,8; 12,0 e 6,0 kg
ia/ha, enquanto que o Japão, utiliza em média 17,5 kg ia/ha. Com base nesses dados, observa-
se que o Brasil utiliza menos produtos por unidade produtiva e a análise financeira deste uso
demonstra que para cada R$ 1,00 gasto com produtos fitossanitários (mais gastos com
aplicação) tem-se um retorno de R$ 4,00, demonstrando a alta eficiência do produtor
brasileiro no uso deste insumo.
• Eng.Agr. Professor Titular, aposentado, nas disciplinas de Ecotoxicologia, Toxicologia e Saúde
Pública e de Toxicologia nos Cursos de Engenharia Ambiental e Agronomia na Universidade de
Passo Fundo.