Colunas

A potência de 7,6%

O Brasil tem imponente papel no fornecimento mundial de alimentos e é um dos principais players da atualidade na produção, processamento e exportação, o que tem sido essencial para a segurança alimentar mundial. Os números surpreendem e são otimistas. Segundo projeções da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Valor Bruto da Produção no ano de 2017 foi de R$ 533,5 bilhões, e tem projeções de crescimento de 5,4 a 7,1% para o ano de 2018.

Dados esses que confrontam com algo inimaginável: o crescimento sustentável e ampliação da área preservada. A atual área utilizada para a produção agrícola do Brasil corresponde a 7,6% do seu território, totalizando quase 64 milhões de hectares. Apenas um pequena fatia.

Os relatórios do CAR (Cadastro Ambiental Rural) serão uma ferramenta para desmistificar e evidenciar o compromisso ambiental do produtor rural, e uma das principais bases comerciais para atingir mercados exigentes e com características protetivas como o Europeu e Asiático. Incoerências à parte, hoje a Europa (sem a Rússia) tem apenas 0,1% da vegetação nativa existente – e no Brasil 61% está intocado. A preservação tem sido uma exigência, mas também se tornará um selo comercial dos produtos agrícolas brasileiros.

Ações bem sucedidas zoneamento de áreas de preservação, nascentes, beiras de rios e demarcações de reservas legais fazem com que o produtor rural Brasileiro seja o maior responsável pela preservação das vegetações nativas, rios e lagos. De maneira orientada, com o devido esclarecimento e com liberação de crédito condicionada, a sequência para a implementação do CAR fez com que a adesão fosse uniforme e bem aceita.

Com grande aumento em produtividade, a atividade agrícola brasileira demanda cada vez mais o uso de tecnologias para a otimização dos locais já consolidadas. O uso de pouco mais de 7% da área para o fim agrícola desmistifica o caráter destrutivo do agro nacional. A comunicação é importante. Até os números da produção, conhecimento da segurança e sustentabilidade dos processos serem conhecidos e assimilados pela população urbana veremos o ‘Agro é Pop’ no intervalos das programações na televisão.