Imprensa

Prevenção de acidentes com linhas de transmissão e MGSO em pauta na CNPAAA

/ /

Prevenção de acidentes envolvendo linhas de transmissão e a elaboração preceitos voltados para as rotinas aeroagrícolas para a elaboração do Manual de Gerenciamento de Segurança Operacional (MGSO) seguem em pauta para as entidades que formam a Comissão de Prevenção de Acidentes em Aviação Agrícola (CPAAA). O grupo debateu esses temas na reunião de agosto, durante o Congresso Sindag Mercosul e Latino-Americano – ocorrido em Canela/RS, e se encontram novamente daqui a pouco mais de um mês. Até lá, Sindag, Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) e Seripa V, entre outras entidades estão articulando soluções para voltar à mesa de debates.

A CNPAA é encabeçada pelo Sindag e foi criada em maio, dentro do Comitê Nacional de Prevenção em Acidentes Aeronáuticos (CNPAA), coordenado pelo Cenipa. No encontro de Canela, o sindicato aeroagrícola foi representado pelo diretor-executivo Gabriel Colle e pelo gestor de Segurança da empresa Centroar Agro Aérea, Bruno Carlos Saran. A próxima reunião do grupo está agendada para 19 outubro, a partir das 14 horas, na sede no Seripa V em Canoas.

A reunião do Comissão de Prevenção em Canela teve a participação também do Seripa V – representado por Leonardo P. Oliveira, Júlio César F. Silva e Milton C. de Lima, Abordo Fatores Humanos (Rosana Bauer), aeroclube de Eldorado do Sul (Wilson Schmidt) e pela SNA (Matheus R. Ghisleni).

LINHAS DE TRANSMISSÃO

Sobre a ocorrência de acidentes envolvendo colisão com linhas Anac e Aneel devem discutir uma forma de ter e disponibilizar as coordenadas de todas as linhas de transmissão de energia existentes no País. Enquanto o Sindag deve buscar um caminho via concessionárias de energia – algumas das quais já passaram coordenadas de redes para o sindicato. Enquanto o SNA ficou de se debruçar sobre a NBR 7.276/2005, que regulamenta a colocação de esferas de sinalização nas linhas de transmissão de energia. A ideia é achar um caminho para aprimorar a norma, exigindo sinalização também sobre lavouras

GESTÃO DE SEGURANÇA

Outro tema que está tendo desdobramentos entre os dois encontros é a revisão do Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional (SGSO, regrado pela ANAC), com a simplificação do Manual de Gerenciamento de Segurança Operacional (MGSO). A ideia é que preceitos quanto ao MGSO sejam simplificados e adequados às características do setor aeroagrícola. Ao mesmo tempo, passe a incorporar também preceitos do Plano de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (PPAA) do Cenipa.

A adequação do MGSO é uma demanda antiga do Sindag junto à Anac, que chegou a ser tratada em uma agenda positiva proposta pelas duas entidades em 2014. Porém, o assunto acabou não evoluindo. Na reunião em Canela, o Seripa V propôs se inteirar junto ao Sindag sobre as propostas do setor aeroagrícola, ao mesmo tempo em que busca apoio do Cenipa para discutir com a Anac a adequação do Manual.

Além disso, o grupo também definiu a necessidade de um treinamento continuado para os gerentes de Segurança Operacional das empresas, com um curso avançado a ser elaborado pela CNPAAA, com apoio da Anac e do Seripa V. Conforme o representante da empresa Centroar, o objetivo principal é a atualização e a troca de experiências.

“Normalmente os funcionários encarregados de fazer o SGSO funcionar nas empresas fazem o curso inicial e não têm depois uma atualização. Não só com as novidades em nível de órgãos e regulamentação, mas como um caminho de mão dupla a partir das experiências de cada um, o que ajudaria inclusive a melhorar o sistema”, explica Saran. Nesse caso, o grupo já saiu da reunião em Canela com a proposta de um curso com três dias de duração, que deve agora ser formatado com apoio da Anac e ocorrer em instalações da Anac ou do Seripa.