Colunas

RISCOS FATAIS PARA AVIAÇÃO AGRÍCOLA

Vimos chamar a atenção para todos Comandantes, Gerentes e Gestores de Segurança Operacional para, a evolução que vem ocorrendo nas Aviações Civis, Agrícolas e rotativas, os acidentes envolvendo Linhas de Transmissões. Já somos a segunda maior frota do mundo na aviação agrícola, no entanto, infelizmente, considerando um prisma aproximado de 9 anos, constata-se que a quantidade de Acidentes com Linhas de Transmissões não cessa, devendo-se considerar inclusive, os acidentes com Fiação de postes.

Cabe aqui algumas explanações, baseada na nossa larga experiência em Empresas de Energia, como Coordenador de Manutenção na Grande São Paulo, por 22 anos, terceira maior cidade do mundo, vivenciando todo Universo do Mundo de Linhas de Transmissões, inclusive em missões do mais alto risco operacional, como a operação de “Inspeção Aérea de Linhas de Transmissões”, não somente na Grande São Paulo, como posteriormente para a CTEEP, por 2 anos, uma das maiores Transmissoras do País, efetuando missões em todo Estado de São Paulo.

Infelizmente faltam diversas informações cruciais para se entender as funções, classificações, riscos, distâncias de Segurança para cada uma das Linhas de Transmissões.

Nos próximos artigos, iremos expor, analisar, alguns acidentes ocorridos, tanto com Linhas de Transmissões, com fiação de postes rurais, tanto com asas fixas, como com asas rotativas.

DIVISÃO DAS LINHAS E EMPRESAS NA ÉPOCA DE PRIVATIZAÇÕES

Na época em que se iniciaram as privatizações das Empresas Energéticas, houve a necessidade de se dividir algumas empresas, como a Eletropaulo, no Estado de São Paulo, assim como diversas outras em todo país, devido ao exagerado tamanho, tornando-se o novo modelo mais atrativos no espectro econômico administrativo.

Para tal ficou estabelecido que:

– Empresas Transmissoras, responsáveis pelas Linhas oriundas das Gerações, torres com até 70 a 90 ms, tensões entre 230 a 500.000 volts, incluindo os Terminais que alimentam

– Empresas Distribuidoras, responsáveis pelas Linhas com tensões entre 69 a 138.000 volts, torres entre 17 a 32 ms, com Origem nos Terminais de Transmissões, incluindo as subestações por ela alimentadas

Trazendo-se para uma interpretação mais simples, as Torres maiores, com tensão de operação maiores (entre 230 a 500 ou até 750.000 volts) são de Empresas Transmissoras, como exemplo no Rio Grande do Sul, a ELETROSUL, no Estado de São Paulo, a CTEEP. As torres menores, seriam a CEEE, AES SUL no Rio Grande do Sul, assim como no Estado de São Paulo teríamos a AES ELETROPAULO, EDP ENERGIA, CPFL e ELEKTRO.

Acrescentamos que nossa Especialidade em Inspeção Aérea é potencializada devido ao fato de termos Carteira de Piloto Comercial de Helicóptero, que agregada a toda bagagem de Linhas de Transmissões, nos permite efetuar trabalhos especializados, principalmente no tocante a segurança operacional pois, temos sempre em nossas operações de “Inspeção Aérea de Linhas de Transmissões”, 2 pilotos a bordo. Isto nos permite efetuar uma Inspeção mais segura, nos permitindo de uma forma ideal, analisar experiência dos pilotos, performance dos vários tipos de aeronaves, em qualquer tipo e ambiente das mais variadas Linhas de Transmissões pelo Brasil, desde Grande São Paulo, Estado, assim com empresas e Linhas de Minas Gerais, Maranhão, Espirito Santo.

Devido ao vasto material que possuímos, nos é facilitado, expor, descrever, analisar, infelizmente, os acidentes com Linhas de Transmissões assim mesmo, os com fiação de postes de rua ou rurais.

VISIBILIDADE DOS FIOS/CABOS

A maior causa de Acidentes com Linhas de Transmissões, é a enorme dificuldade para visualizar a fiação. Mesmo para nós que efetuamos Inspeção Aérea, não raro, nos envolvemos com aproximação ou não avistar cabos de cabo para-raios (o mais superior). Fartamente documentado por nosso material repara-se que:

– Com tempo nublado ou semi nublado, a visibilidade fica extremamente dificultada

– Com em ambientes inseridos com vegetações diversas, árvores, gramado, plantações, igualmente a visibilidade fica em muito prejudicada

– Com fundos de água como: rios, lagos, represas, não se avistam os cabos

– Com fundos de terra arada (vermelha), não se avistam perigosamente os fios/cabos

Todas as condições acima, mesmo para nós que efetuamos inspeção aérea das Linhas de Transmissões, também nos afeta. Chegamos a vivenciar como exemplo, ao efetuar inspeção em linhão de 345 kV, com vãos próximos de 1000 m, a aeronave se aproximar indevidamente dos cabos, cabendo a nossa imediata informação ao piloto em comando.

PALESTRA INTERNACIONAL

Toda nossa argumentação no tocante a grande dificuldade para a visibilidade das Linhas de Transmissões, está contida, fartamente ilustrada em nossos longos anos, tanto em Empresas Energéticas, Aeronáuticas, e são as mesmas empregadas, em uma Palestra Internacional, que recomendamos, cujos participantes são:

  • AOPA
  • HELICOPTER ASSOCIATION INTERNATIONAL
  • HELICOPTER SAFETY CANADA
  • FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION

 

Link pelo youtube: https://www.youtube.com/watch?v=3x9Sk-SE8-E