Imprensa

Setor aeroagrícola no lançamento da Câmara Agro 4.0, em Brasília

/ /

O Sindag marcou presença, quinta-feira (15), no lançamento da Câmara Agro 4.0, ocorrido na sede do Ministério da Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em Brasília. A cerimônia foi marcada pela assinatura do acordo de cooperação entre o titular do MCTIC, Marcos Pontes, e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para a criação do grupo, formado por técnicos das duas pastas, além de representantes de universidades, centros de pesquisa, empresas e entidades do setor primário. A iniciativa faz parte do Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT), no caso da agricultura, para construir uma estratégia para as fazendas conectadas, que utilizam soluções como automação, interatividade, monitoramento em tempo real, Big Data, entre outras inovações.

Solenidade ocorreu na sede do MCTIC, em Brasília

O sindicato aeroagrícola foi representado no evento pelo assessor parlamentar Napoleão Salles, que no início do mês já havia apresentado a aviação agrícola na estreia do Sindag na Coordenação de Agricultura Digital e de Precisão no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Detentoras de alta tecnologia embarcada, as aeronaves transitam cada vez mais por um cenário onde a tendência são ferramentas de gestão, equipamentos auxiliares (como drones e sistemas de abastecimento) e vários sistemas de dados atuando de maneira conectada, para otimizar o trabalho, cortar custos e melhorar a produtividade. O que vai ao encontro do cenário proposto pelo plano federal.

EXPECTATIVAS DE INVESTIMENTO
O senador Luis Carlos Heinze (PP/RS), que também participou da solenidade na quinta, destacou a necessidade de se aumentar o número de empresas inovadoras no campo. “Nós temos 307 startups do agro no Brasil, enquanto há mais de 20 mil nos outros setores. Um Estado como o Mato Grosso, o maior produtor do Brasil, deve ter de 10 a 12. A gente precisa linkar os estudantes de Agronomia, Zootecnia, Veterinária a universidades e empresas do ramo. Temos um potencial enorme em estimular essa meninada a desenvolver projetos novos”, ressaltou.

Já Tereza Cristina destacou o papel da tecnologia em garantir ao Brasil aumentos de produtividade aliados à preservação da natureza. “A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou uma safra recorde no país, um aumento de 6% de produção com crescimento de 0,6% da área plantada. Isso foi feito com muita pesquisa e nós temos que mostrar para o mundo que a gente produz mantendo a sustentabilidade. Não é à toa que a pesquisa e a inovação serão cada vez mais usadas”, afirmou a ministra.

“Nós temos um projeto de conectividade que utiliza fibras ópticas. O primeiro estágio será o Nordeste, depois o Norte e o Centro-Oeste. Temos também o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) levando internet aos pontos onde a fibra não chega. A conexão depende de infraestrutura e nós temos a expectativa que o PLC 79 possa nos ajudar a ampliar o acesso. A gente está falando de R$ 20 a 40 bilhões de investimento”, ressaltou o ministro Marcos Pontes, enfatizando os planos para internet no campo.