Imprensa

Showtec 2019: aviação agrícola é destaque com aeronave real e voo em realidade virtual

/ /

    O imponente Air Tractor AT-502 da empresa Nórdica Aviação Agrícola é um chamariz e tanto para o público da mostra de tecnologias Showtec 2019, na área da Fundação MS, em Maracaju, no sudoeste do Mato Grosso do Sul. Junto ao estande da Nórdica, no espaço do Sindag e da Mossmann Assessoria e Consultoria Aeroagrícola, as pessoas têm a oportunidade de literalmente acompanhar o preparo da missão e voar sobre lavouras, com o projeto de realidade virtual Aviação Agrícola 360°. Atrações que devem seguir movimentadas até essa sexta-feira (18), último dia do evento.

Movimentação é intensa no espaço da aviação agrícola

    De um lado, junto ao avião real, produtores aprendem sobre as vantagens econômicas da aviação agrícola e as pessoas percebem a alta tecnologia que garante a segurança nas aplicações. Além das crianças, que se deliciam com a sensação de sentarem no assento do piloto do turboélice (e só a elas é permitido isso). No espaço do Sindag e da Mossmann, operadores tiram dúvidas sobre documentação, regulamentos, demandas e cenários do setor aeroagrícola, enquanto quem não conhece sai com outra visão do setor, depois de “voar” em uma aeronave com os sons e imagens de óculos de realidade virtual.

Adultos podem olhar e aprender…

…mas só as crianças podem entrar no avião

    A ação conjunta – a Nórdica locou o estande e cedeu om espaço para o sindicato aeroagrícola e a consultoria (que coordena o Sistema de Documentação da Aviação Agrícola do Sindag, o Sisvag) – faz parte da estratégia institucional de transparência e comunicação para desmistificar o setor, aproximá-lo da sociedade e ampliar mercado pelas suas credenciais de eficiência, economia e segurança.

DIVULGAÇÃO PARA O MERCADO E SOCIEDADE

    “É bacana ver o interesse das pessoas pelo avião, estacionado em um ponto estratégico da feira e atraindo desde produtores rurais até crianças” conta, animado, o diretor da Nórdica, Jefferson Costa. Grupos que facilmente somam 20 pessoas se revezam para conferir as explicações dos pilotos e técnicos sobre o funcionamento do avião, suas vantagens econômicas para o produtor e a segurança para o meio ambiente. Para os produtores, a aposta é na relação custo/benefício da ferramenta. “Estamos mostrando que é mais econômico e produtivo terceirizar o serviço de pulverização e aplicação de sólidos (fertilizante e semeadura) com uma aeroagrícola”, ressalta o empresário.  

    Para colocar o avião dentro da feira, o Air Tractor veio voando da base da Nórdica em Campo Grande até o aeródromo de Maracaju, onde foi desmontado e transportado em partes para ser remontado na área da Showtec. A operação levou uma semana, envolveu 16 pessoas e Costa teve que pedir autorização da Anac para o avião ser desmontado fora de sua base. “Além disso, a tarefa foi realizada por uma empresa credenciada para esse tipo de trabalho com esse tipo de aeronave”, ressalta, mencionando outra exigência legal para a empreitada. Depois da feira, o avião voltará em partes para o aeródromo, onde será montado para voar de volta para casa.

Público pode participar de uma operação aérea virtual

    “Ter o avião exposto fez toda a diferença”, ressalta a coordenadora do Sisvag, Cléria Mossmann, sobre a movimentação de pessoas que vão até o turboélice e depois querem conferir o voo virtual. “Também muitos produtores rurais nos perguntam sobre a documentação que as empresas aeroagrícolas precisam ter (atentos às regras para os prestadores de serviços)”, completa.

As pessoas ficam sentadas (com os óculos de realidade virtual), mas algumas se seguram para não cair da cadeira

    No Aviação Agrícola 360°, outro espaço para adultos e crianças, agricultores ou leigos. “A maioria comenta que não imaginava a complexidade e rapidez da aplicação aérea com avião”, conta o secretário executivo do Sindag, Júnior Oliveira, sobre as impressões do público que experimenta o voo virtual. “As pessoas ficam sentadas (com os óculos de realidade virtual), mas algumas se seguram para não cair da cadeira”, completa. Segundo Oliveira, os próprios representantes de entidades agrícolas e de órgãos governamentais se surpreenderam com o potencial da iniciativa, que proporciona uma visão rica de como operam as empresas aeroagrícolas. E entra as crianças, claro, muitos saem dizendo que querem ser pilotos.