Imprensa

Sindag marca presença no Ethanol Summit

/ /

    O diretor Bruno Ricardo de Vasconcelos foi o representante do Sindag no Ethanol Summit 2019, ocorrido na segunda e terça-feira (dias 17 e 18), na Fecomércio, em São Paulo. Realizado pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e considerado maior evento do setor sucroenergético da América Latina, a programação reuniu autoridades nacionais e internacionais, empresários, acadêmicos e especialistas para debater os principais temas do setor, incluindo inovação, mobilidade, biocombustíveis, bioeletricidade, políticas públicas, comércio internacional e infraestrutura. Foram 20 painéis, quatro plenárias e duas palestras magnas.

    Segundo Vasconcelos, o evento teve uma ampla demonstração de apoio político ao setor produtivo. Estavam presentes os ministros da Agricultura, Tereza Cristina, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e de Minas e Energia, Bento Costa Lima Leite, al; além do governador paulista João Doria e dos secretários estaduais de Desenvolvimento Econômico, patrícia Ellen da Silva, e de Meio Ambiente, Marcos Penido.

Bruno Vasconcelos participou do encontro representando o Sindag

INCENTIVOS

    “Houve uma ampla defesa das autoridades a programas como o RenovaBio, que criará o maior sistema de descarbonização do planeta e ainda precisa ser regulamentado para sair do papel”, ressalta o diretor do Sindag, sobre o programa que deve investir R$ 9 bilhões por ano no setor de etanol, com a renovação de canaviais, e mais R$ 4 bilhões com o aumento da produção de cana-de-açúcar. Recurso viabilizado a partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no primeiro dia do evento, autorizando o setor a captar recursos em debêntures incentivadas.

Autoridades federais destacaram o apoio governamental ao setor

    A cana é a principal lavoura atendida pela aviação agrícola no Sudeste e a principal riqueza do setor primário paulista – logo, responsável também por boa parte do crescimento da frota aeroagrícola no Estado, que está em terceiro no ranking nacional (e segundo em número de empresas). Extremamente dependente do trato por aeronaves, o setor é também parceiro institucional do Sindag em ações tanto de qualificação da atividade aeroagrícola como de aproximação com autoridades e a própria sociedade.