Imprensa

Sindag participa da reunião da Câmara Setorial do Arroz

/ /

O Sindag participou na segunda-feira (9) da primeira reunião como membro da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Arroz do Rio Grande do Sul. O encontro ocorreu na Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação do Estado (Seapi) e a pauta teve como destaque o pedido dos produtores para redução do ICMS sobre o arroz, melhoria das estradas e a discussão que se arrasta no governo federal sobre a tabela do preço de fretes. O sindicato aeroagrícola foi representado pelo secretário-executivo Júnior Oliveira, que manifestou apoio aos pedidos dos arrozeiros.

Oliveira ressaltou que o atendimento aos pleitos dos produtores beneficiaria todo o Estado, tendo em vista o tamanho da cadeia arrozeira. “Uma retração do setor traz resultados negativos para outras atividades, diminuindo a própria arrecadação de impostos do Estado.” Segundo ele, só no setor aeroagrícola são 77 empresas (o topo do ranking entre os Estados) e 467 aeronaves (quantidade atrás somente do Mato Grosso). A grande maioria dessa força atuando nas lavouras de arroz. O Rio Grande do Sul é responsável por cerca de 70% do grão produzido no País.

Segundo dados do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) mais de 96% da safra do Estado já havia sido colhida até maio, representando 8,2 milhões de toneladas. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção total de arroz no País deve ficar este ano em 11,7 milhões de toneladas – 1,25 milhão no arroz sequeiro e 10,5 milhões no arroz irrigado.

TRIBUTAÇÃO

A reunião da Câmara Arrozeira foi coordenada pelo diretor das Câmaras Setoriais do Estado, Rodrigo Rizzo. O Secretário de Agricultura, Odacir Klein, abriu o encontro e ressaltou que a cultura de arroz é assunto prioritário para a Seapi e que as soluções devem ser definidas rapidamente para que o Estado não perca mercado. No entanto, representantes da Secretaria Estadual da Fazenda se posicionaram contrários à redução de 12% para 7% na alíquota de ICMS sobre o arroz, pedida pelos produtores.

A questão foi o ponto principal do encontro e os agricultores ressaltaram que a redução é essencial para tornar o preço do arroz compatível com o mercado nacional, tendo em vista principalmente o alto custo de produção. Segundo os técnicos do Estado, a redução do ICMS faria com que o governo gaúcho tivesse ainda mais dificuldade de fechar suas contas. Portanto, a solução precisaria vir por outro caminho.

Além da Câmara Setorial do Arroz, onde foi incluído a convite do próprio diretor Rodrigo Rizzo, o Sindag tem participação ativa em diversos eventos e fóruns de debate do setor. Como na Abertura Oficial da Colheita do Arroz e na Semana Arrozeira de Alegrete, que ocorrem, respectivamente, em fevereiro e entre maio e junho. Além disso, o sindicato aeroagrícola poia também o movimento Te Mexe Arrozeiro.

Encontro na Seapi marcou estreia do sindicato no fórum de discussão o setor orizícola gaúcho