Imprensa

Sindag participa de primeira assembleia pós ampliação do Taim

/ /

O Sindag esteve presente na última semana, na reunião assembleia ordinária do Conselho Consultivo da Estação Ecológica (ESEC) do Taim, ocorrida na sexta-feira (dia 14). O encontro foi na Estação do Taim e o sindicato aeroagrícola foi representado pelo empresário Alan Sejer Poulsen, que integra o Conselho. A pauta girou principalmente em torno da ampliação da área do Taim, oficializada em junho. Com isso, a Estação Ecológica passou de 11 mil para 32,8 mil metros quadrados. Na verdade, reassumindo as dimensões de 1978, quando o governo federal havia declarado a área de utilidade pública (Decreto Federal 81.603/78). A área menor veio em 1986, quando a Estação foi finalmente criada, mas a correção era reivindicada desde então.

Além disso, o Taim havia recebido, em abril, o título de área úmida de importância nacional na Convenção de Ramsar, um dos acordos mais importantes do mundo para a preservação do meio ambiente. A certificação foi concedida durante encontro em Leticia, na Colômbia, e possibilita o acesso a recursos de organismos internacionais para a preservação da área. A reserva abriga pelo menos 30 espécies de mamíferos, como capivaras, e répteis, como jacarés. Além disso, 250 espécies de aves migratórias fazem uma parada estratégica na região para se alimentar e descansar.

APOIO AEROAGRÍCOLA

Conforme Poulsen, a ampliação era apoiada pelo setor aeroagrícola, que sempre manteve uma relação de cuidado com o espaço. “Tanto que em várias oportunidades a aviação agrícola participou voluntariamente de operações de combate a incêndios na Estação”, recorda. Além de ter assento há anos no conselho da Estação do Taim, o Sindag também é uma das 20 instituições que integram o Conselho Consultivo da Reserva Biológica do Mato Grande, no município de Arroio Grande/RS, e no Conselho do Parque Estadual do Espinilho, em Barra do Quaraí, no sudoeste do Estado.

“A participação da aviação agrícola nesses conselhos é importante não só pela contribuição para o desenvolvimento sustentável dessas regiões, mas também para desmistificar o setor aeroagrícola junto à sociedade”, observa o representante do Sindag no Taim.