Imprensa

Sindag, Unica e Sindiveg promovem ação para desmistificar a aviação agrícola para vereadores de Araraquara/SP

/ /

Vereadores da cidade de Araraquara, no interior paulista, visitaram na última sexta-feira (22) a Usina Santa Cruz, no município vizinho de Américo Brasiliense, para conhecer mais sobre o cultivo da cana na região e os níveis de segurança da aviação agrícola no trato das lavouras. O motivo foi a discussão no Legislativo araraquarense do Projeto de Lei 218/2017, que visa a proibir a pulverização aérea de defensivos no município. Os parlamentares foram recebidos por técnicos da usina e representantes do Sindag, da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). Eles apresentaram aos vereadores os procedimentos adotados pela indústria no trato de lavouras e a importância da aviação para o setor sucroenergético, para a economia da região e a própria segurança ambiental e dos trabalhadores.

A assessora jurídica e de Sutentabilidade da Unica, Renata Camargo, ressaltou as ações de sustentabilidade adotadas pelo setor, como a eliminação da queima da cana, o controle biológico de pragas e os programas de melhoria genética que diminuíram o uso de agroquímicos. Renata também esclareceu dúvidas dos vereadores quanto ao risco de deriva nas aplicações (que é quando o produto aplicado se desloca da faixa). Ela ressaltou que “92% do produto aplicado por meio da pulverização aérea atinge corretamente a área de plantio pretendida, sendo que os 8% que são objeto de deriva atingem o solo em, no máximo, 76,2 metros, bem abaixo da área limite, que é de 250 metros de recuo para lavoura e de 500 metros para mananciais”, esclareceu.

BOAS PRÁTICAS

O representante do Sindag no encontro e sócio da empresa Sana Agro Aérea, Max Zenker, falou sobre os avanços do setor aeroagrícola e a tecnologia que hoje permite rapidez e precisão inigualáveis nas operações. Ele destacou ainda o programa de Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS) e tecnologias como o DGPS, fluxômetro e a legislação que exige desde o pátio de descontaminação até a alta capacidade do pessoal envolvido nas operações, além dos relatórios completos de cada aplicação, enviados mensalmente ao Ministério da Agricultura.

Pelo Sindiveg, a coordenadora do Projeto Colmeia Viva, Paula Arigoni, falou sobre a, que conta com a participação das Universidades Estadual Paulista (Unesp) e Federal de São Carlos (Ufscar), e prevê o levantamento de dados sobre a mortalidade de abelhas com um mapeamento inédito dos fatores que contribuem para a perda de colmeias e abelhas no Estado de São Paulo. “Esse é um projeto de pesquisa para a construção de um banco de dados com informações sólidas e realistas, e dará origem a um Plano de Ação Nacional voltado às boas práticas de aplicação dos defensivos agrícolas para uma relação mais produtiva entre apicultura e agricultura”, ressaltou.

MITOS

O grupo ainda esclareceu várias dúvidas apresentadas pelos parlamentares e reforçou a medida descabida que seria proibir a pulverização aérea. O próprio PL 218/2017, do vereador Edio Lopes (PT), baseia sua justificativa em dados esparsos sobre agrotóxicos que sequer relacionam o tema diretamente à aviação. E um dos casos, por exemplo, a própria bibliografia citada é sobre uma pesquisa da Anvisa que, na verdade deixa claro que os alimentos de lavouras atendidas pela aviação são isentos de contaminação.

O autor do projeto não participou da visita, que teve a presença dos vereadores Jéferson Yashuda Farmacêutico (PSDB), presidente da Câmara, José Carlos Porsani (PSDB), Paulo Landim (PT), Elias Chediek (PMDB), Rafael de Angeli (PSDB), Roger Mendes (PP), Zé Luiz (PPS), Cabo Magal Verri (PMDB) e Thainara Faria (PT). O grupo agora deve discutir o tema na Câmara de Araraquara.

O Sindag e as outras entidades presentes no encontro de sexta já haviam participado em maio de uma audiência sobre o tema, promovida pela Câmara de Vereadores. Na ocasião, o grupo já havia apresentado informações sobre o setor e demonstrado a incoerência dos mesmos argumentos agora relacionados contra o setor no projeto.