Imprensa

Emirados Árabes apostam no uso de aviões agrícolas contra a Covid-19

/ /

Após o Chile ter realizado em abril pulverização aérea de desinfetante orgânico, agora aviões estão sendo vendidos ao Orienta Médio com essa finalidade  

Depois da cidade de Santa Cruz, na província chilena de Colchagua, ter utilizado, em abril (confira abaixo), um avião agrícola em uma operação de sanitização contra a Covid-19, agora são os Emirados Árabes Unidos que devem apostar na ideia. Embora ainda não anunciado oficialmente pelo governo do sheik Mohammed bin Rashid, a notícia do embarque ao país de dois aviões Thrush modelo 510-P circulou no final de semana nas redes sociais dos próprios técnicos da empresa.

Segundo as informações preliminares, as aeronaves foram transportadas desmontadas em avião de carga e farão aplicações de desinfetante orgânico – o mesmo tipo de produto aplicado no Chile. Nessa segunda-feira (4), os Emirados Árabes contabilizaram 567 novos casos no país – que é formado por uma confederação de monarquias. No total, são 14.730 casos, com 137 mortes e 2.966 pessoas curadas. O país tem investido forte em várias frentes contra a doença. As ações abrangem desde a busca de especialistas internacionais em várias áreas até pesquisas próprias inclusive com células-tronco.

Aviões da Thrush foram embarcados nos EUA…

…em uma aeronave de carga rumo ao Oriente Médio…

CHILE

No chile, a prefeitura de Santa Cruz realizou sua operação aérea para desinfetar o centro da cidade de cerca de 35 mil habitantes. Foi no último dia 12 e o trabalho ficou a cargo da empresa Aero Santa Cruz Fumigaciones. Aliás, foi a aeroagrícola e a fornecedora de desinfetante orgânico que bancaram a iniciativa, promovendo custo zero para a prefeitura. Vale lembrar também que a operação teve autorização tanto da autoridade aeronáutica quanto do Ministério da Saúde do país.

O avião usado foi um Air Tractor AT-502B, com capacidade para cerca de 1,9 mil litros de produto. Os trabalhos duraram cerca de três horas, cobriram toda a cidade e foram acompanhados pelo prefeito William Arévalo, que comemorou a iniciativa. “É um marco importante, graças às empresas que tornaram isso possível”, destacou. “É preciso usar todas as ferramentas que se tem e essa pareceu uma ótima ideia para cuidar das pessoas”, completou o governante local.

 

BRASIL

No Brasil, as operações aéreas para combate à Covid-19 necessitam antes de pesquisas coordenadas pelo Ministério da Saúde e pelas autoridades ambientais. O próprio Sindag e o Ibravag já se manifestaram nesse sentido, depois de terem recebido contato de mais de 30 prefeituras de diversos Estados, indagando a possibilidade de aplicar desinfetantes nas cidades. Ao mesmo tempo, as duas entidades aeroagrícolas destacaram que seguem à disposição, caso as autoridades resolvam fazer os testes com aviões.

Enquanto isso, os testes vão ocorrendo em alguns Estados com o uso de drones. As pesquisas ocorrem com apoio de prefeituras e a participação de universidades. Caso da gaúcha SkyDrones – associada do Sindag, e da VOA, plataforma de locação de drones para a agricultura. A Sky Drones tem feito operações de sanitização de áreas públicas em Porto Alegre, enquanto a Voa tem operado em diversas cidades de São Paulo e Paraná.  

[fbcomments]