Gafanhotos voltam a se deslocar na Argentina

Com o dia mais quente nessa quinta, a nuvem que havia sido localizada ontem no interior de Curuzú Quatiá teria voado por cerca de 10 quilômetros  

Com a temperatura mais elevada nesta quinta-feira (9) na província argentina de Corrientes, a nuvem de gafanhotos que desde junho vem colocando em alerta autoridades e produtores do país e dos vizinhos Brasil e Uruguai voltou a voar. Os insetos teriam se deslocado por cerca de 10 quilômetros ao sudeste de onde estavam desde domingo, no interior do departamento de Curuzú Quatiá. O local fica a cerca de 180 quilômetros da cidade gaúcha de Uruguaiana.

Conforme o boletim divulgado no início da noite pelo Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), os gafanhotos decolaram por volta das 13 horas da estância Che Mbae, quando a temperatura estava entre 18 e 20 graus. Os técnicos do órgão seguiram avistando a nuvem pela Ruta 24, em direção sul. Eles perderam contato visual com os insetos antes de chegarem à Ruta 30, que corta a região no sentido leste/oeste.

A partir de informações de uma moradora local, a estimativa é de que os gafanhotos tenham pousado no final da tarde na região de Zarza Rincón (clique AQUI para ver o mapa). Isso embora uma primeira uma primeira busca na área não tenha dado em nada. Os trabalhos devem ser retomados na área na manhã desta sexta (10).

LENTIDÃO

Os insetos haviam sido localizados ontem e estavam na mesma fazenda desde domingo, provavelmente devido às baixas temperaturas na região no início da semana. Conforme o doutor em Entomologia Mauricio Paulo Batistella Pasini, na Universidade de Cruz Alta (Unicruz), no Rio Grande do Sul, a temperatura ideal para os insetos é a partir dos 15 graus e eles se movem normalmente na direção do vento.

Na fronteira gaúcha, o fiscal agropecuário Juliano Ritter, da Secretaria de Agricultura do Estado, explica que a temperatura entre Barra do Quaraí e Uruguaiana está parecida com a de Curuzú Quatiá: entre 20 e 21 graus. Também adequada para os insetos. Porém, com o vento desfavorável.

“Com temperatura mais alta, normalmente temos vento norte mais forte (em direção sul). Pelo menos nos próximos dias isso deve continuar assim”, destaca Ritter, que está encarregado pelo governo gaúcho de monitorar as condições para o risco da entrada dos gafanhotos no Brasil.

VORACIDADE

Os gafanhotos sul-americanos (Schistocerca cancellata) que estão em Corrientes vêm sendo monitorados desde maio, quando voaram do Paraguai para a Argentina. Apesar de nuvens de gafanhotos serem relativamente comuns na região na fronteira entre a Bolívia, Paraguai e o norte da Argentina, há cerca de 70 anos um grupo tão grande de insetos não descia até próximo à região da fronteira argentina com Brasil e Uruguai.

A nuvem chegou a ter, em voo, 10 quilômetros de comprimentos por três de largura. O que dá cerca de 400 milhões de gafanhotos, pelos cálculos do Senasa. Com a voracidade desse tipo de inseto (que come plantações, pastagens e outros vegetais onde pousa), o grupo é capa de consumir, em um dia, lavouras que alimentariam 35 mil pessoas.

Os argentinos chegaram a realizar duas operações aéreas contra os gafanhotos, nos dias 26 de junho e no último dia 2. Em cada uma delas, a estimativa é de que se tenha eliminado 15% da nuvem. Para uma operação, os técnicos precisam encontrar o local de pouso dos insetos e fazer o levantamento de seu perímetro. A partir daí, os dados são repassados para o operador de aviação agrícola, que faz a aplicação sobre os gafanhotos pousados – no fim da tarde ou pela manhã, antes que decolem novamente.

 

Estimativa do Senasa é de que os insetos estejam em uma área 10 km acima da Ruta 30